Home / Política / Uma Câmara Fora de Sintonia

Uma Câmara Fora de Sintonia

Reunião com o secretário Ângelo Gióia; (Foto: Thyago Leão)

No último dia 10 uma comissão formada por 11 vereadores se dirigiu à capital pernambucana, onde acompanhados pelo deputado Joaquim Lira, reuniram-se com o secretário de defesa social, Ângelo Gióia, para tratar sobre a onda de violência que tem assustado Vitória de Santo Antão. Uma manobra política acertiva, por parte da oposição, viabilizou tal encontro. Tendo em vista que uma audiência pública havia sido marcada anteriormente, pelo vereador Jota Domingos, que é líder do governo na câmara.

Foto: Julio de Pipia

Violência sempre foi pauta para Jota Domingos (PTC), que desde muito antes de ser vereador, atua na comunicação do município, como radialista e apresentador de TV. Com um perfil sempre muito crítico e veemência ao usar os microfones das emissoras em que trabalhou/trabalha, não se pode afirmar que seja hipocrisia a cobrança do parlamentar, no âmbito da segurança pública. Ainda assim, uma vez eleito vereador e, com a difícil missão de assumir a liderança do governo na Casa Diogo de Braga, Jota Domingos tem “comido o pão que o diabo amassou”.
Uma vez que se está fora do processo político, torna-se bem mais fácil, fazer cobranças sobre toda e qualquer temática da administração pública, e isso tem sido a pedra no sapato de Jota.

Ainda sem perfil de líder, Jota tem sofrido ataques mais intensos, agora que já se passaram mais de cem dias de governo sob a administração de Aglailson Júnior, seu correligionário, que por sua vez, tem imputado ao inexperiente vereador, a difícil tarefa de defender as ações – ou a falta delas – por parte da prefeitura. Muitas vezes tendo que explicar o inexplicável, se depara em confrontos perdidos, com a experiência de Mano Holanda (DEM) e a astúcia de Geraldo Filho (PR).

Assim que foi marcada a audiência sobre a segurança pública, rapidamente a oposição apresentou a proposta de reunião com o secretário de defesa social, articulada por Joaquim Lira. Ainda assim, alguns dos vereadores da situação compareceram à reunião. Contudo, tendo em vista que a maior autoridade em se tratando de segurança pública havera sido ouvida, em tal oportunidade, onde inclusive foram apresentadas algumas medidas com o intuito de diminuir a violência, não só em Vitória, mas no estado, ficou sem sentido que o secretário viesse à Vitória, atendendo à solicitação de Jota Domingos para explanar as mesmas respostas sobre as mesmas indagações.
Contudo, a audiência foi mantida e realizada, entretanto, não foi tão prestigiada como imaginaram os idealizadores. Como previsto, Ângelo Gióia não compareceu, assim como o Comandante Geral da Polícia Militar de Pernambuco, Vanildo Albuquerque. A OAB/PE também não se fez representar, também não o Ministério Público de Pernambuco, tampouco o Judiciário e nem a Polícia Civil mandou representante. Compareceu, porém, o diretor do Presídio Municipal da Vitória de Santo Antão, o agente penitenciário Emanoel Lima, o comandante do 21º BPM – Batalhão Monte das Tabocas, o Tenente Coronel Edivaldo Oliveira; O secretário municipal de defesa social e segurança cidadã, Coronel Targino também compareceu, acompanhado de comitiva, entre outras instituições.
Em se tratando da audiência pública, poucos pontos foram relevantes, entre estes, a situação da Guarda Municipal da Vitória de Santo Antão foi debatida. Coronel Targino, com um perfil muito político e aparentemente aluno da escola política do atual prefeito, usava repetidamente expressões como “herdamos uma situação complicada”, “herdamos dificuldades”, mesmo assim, reconheceu que o número de guardas que a cidade dispõe hoje, é insuficiente, e ressaltou a importância de se convocar os aprovados no último concurso para Guarda Municipal, que se fizeram presentes na reunião, com cartazes cobrando a convocação. Membros do Conselho Municipal de Segurança Pública também se fizeram presentes e foram convidados à uma reunião com o secretário Coronel Targino.

Em se tratando de política, é público e notório que falta sintonia entre os vereadores. Enquanto o presidente Novo da Banca se expõe, assumindo um papel que caberia a Jota Domingos, que segundo nossas fontes, CHEGOU A DERRAMAR LÁGRIMAS AO FIM DA PENÚLTIMA SESSÃO, NO ÚLTIMO DIA 20, tamanha pressão que vem levando, vem sofrendo ataques sérios da oposição, Toninho Nascimento, que assumiu oficialmente a vice-liderança do governo, tem usado de suas velhas artimanhas para dar ao prefeito Aglailson Júnior, o mesmo tratamento que dava ao ex-prefeito Elias Lira, o qual ele era “Babão assumido”, tal qual ele mesmo já reiterou muitas vezes na tribuna da Câmara de vereadores. O que vem a ser benéfico para Novo da Banca, que poderá cumprir tão somente seu papel regimental, deixando o cinismo e a molecagem para quem já tem experiência em fazer uso de tais características.

Sobre André Ben

Desde 2013 acompanha as sessões da câmara de vereadores da Vitória de Santo Antão. Já atuou como assessor parlamentar e há 4 anos escreve matérias de natureza política para publicação em blog;

Além disso, verifique

Projeto de Lei Duda da Passira é aprovado na câmara de vereadores da Vitória

O Projeto de Lei nº 024/2017, de autoria do vereador Antônio Gabriel, o Toninho (PRB), determina …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by themekiller.com