Home / Cultura / A velha ladainha e o São João dos forasteiros

A velha ladainha e o São João dos forasteiros

A Velha Ladainha

A prefeitura municipal da Vitória de Santo Antão não tem feito o dever de casa, porém a inabilidade de seu comandante, a incompetência de sua assessoria e ambição, traduzida nos anseios da eleição de 2018, têm prejudicado, ainda mais, o andamento do que tinha tudo para ser um ótimo exemplo de gestão.

“Em ⁠⁠⁠⁠⁠19.05.2017 a Prefeitura de Vitória de Santo Antão já chega aos R$ 90.698.000,00 de Arrecadação líquida. Média de R$ 652.509,00 diários” – Gritava aos 4 cantos do mundo, o consultor em gestão pública, Elias Martins. Mas o que Elias estava querendo dizer com isso? O município tem dinheiro! Assim sendo, toda essa ladainha de “dificuldade”, “problemas deixados pela gestão anterior” e todo esse blá blá blá proferido pelo Governo Aglailson Júnior, não passa de pura mentira e politicagem escancarada.

A exemplo disso que estamos falando, recentemente o Governo Aglailson Júnior sofreu algumas retaliações, que poderíamos até chamar de “estupros virtuais”, entretanto, as tais retaliações não estão se detendo mais, apenas, às redes sociais.

Aglailson Júnior, quando em campanha para as eleições de 2016, com a finalidade de se passar por “bonzinho”, “homem do povo”, “pai dos pobres” e etc., teve como elemento de discurso, as falácias sobre a Zona Azul, situação dos moto-taxistas, entre outras coisas. Ainda assim, em relação aos tópicos que acabo de mencionar, pouco ou, até mesmo, nada se viu em relação à mudanças propositivas que visassem um acerto. Porém, segundo os moto-taxistas, a perseguição com a classe, está ainda maior:

Mototaxistas protestam no Centro de Vitória

Após esse acontecimento, um vídeo veiculado por um ex-candidato a vereador, Akillys Fernando, logo viralizou no Facebook, mostrando um programa do Guia Eleitoral de Aglailson Júnior, acerca do assunto:


Ainda assim, outros pontos também vem sendo questionados pela população de Vitória.

Ônibus para os estudantes é uma constante reclamação sobre o governo municipal. Há informações não oficiais, que dão por conta de que Aglailson Júnior já tenha adquirido uma frota contendo 10 ônibus, que será designada para o transporte dos estudantes, porém, esta só será entregue à população no próximo ano, já que estará mais próximo das eleições, onde Aglailson Júnior deseja eleger seu filho, Aglailson Victor. Então a tal frota de ônibus, será mais um elemento figurativo de campanha eleitoral;

São João 2017… Uma Festa de Forasteiros

Vitória de Santo Antão, sempre teve e tem tradição artística em quase todos os âmbitos, no quesito musical, não fica atrás. Com dois pólos juninos, um em Pirituba e outro sendo o Pátio de Eventos Otoni Rodrigues, a prefeitura teria condições, tranquilamente, de cumprir com o que Aglailson Júnior prometeu em palanque, durante a campanha eleitoral, ou seja, valorizar a cultura de nossa terra. Contudo, nomes como Vava do Acordeon, Nildo Ventura, Júnior Passira, Dedo Bezerra, Pombinho do Acordeon, Laboratório 6, Jonathan Chocolate, Nordestinos do Forró, Jorge Neto, entre outros, ficaram de fora. O que mais nos intriga, porém, é ver que tanta gente fala bem do atual secretário de cultura, o Sr. Marcos Rocha, onde é unânime a afirmativa de que ele é uma pessoa comprometida com a cultura vitoriense, dedicado e responsável para com a pasta a qual ele ocupa. Mesmo assim, ficamos a nos perguntar, onde está , de fato, o reconhecimento do valor da nossa cultura? O São João da Vitória de 2017 é resposta suficiente.

Eu, André Ben, que vos escrevo, fui um dos mais críticos e opositores ao nome do Dr. Paulo Roberto Leite de Arruda, para prefeito de Vitória de Santo Antão. Tanto pelo fato de que na época apoiava a candidatura do filho do deputado Henrique Queiroz, quanto por até aquele momento, ter convicção de que Paulo Roberto não seria o melhor nome para assumir o Palácio José Joaquim da Silva Filho.

Mas vamos dar a César o que é de César… Durante toda a gestão Elias Lira, os artistas de Vitória sempre tiveram espaço para mostrar sua arte, sua cultura. Fosse no carnaval, fosse no São João, sempre houve espaço para os vitorienses. Além disso, Paulo Roberto, através de sua empresa, a Faculdade Osmã Lins, sempre apoiou cultura vitoriense, sempre incentivou, com pouco ou muito, no que pôde, sempre ajudou a classe artística de Vitória.

Mas, ora? As dificuldades não eram as mesmas? Todos nós que vivemos de forma mais íntima com a política de Vitória, sabemos que secretário nenhum tem ou tinha 100% de autonomia. Ainda assim, Paulo Roberto se sobressaía neste quesito.

Hoje em dia, porém, este é o sentimento da classe artística musical de Vitória:

Como esta publicação não terá resposta por parte do Governo Municipal, resta entender que a Política dos Coronéis, ainda tem vez em Vitória de Santo Antão. E como disse Danda da Feijoada, certo dia na Câmara de Vereadores, “Eles é que estão com a chibata na mão, agora.”

Resta saber, até quando?

Com informações do Blog Nossa Vitória;

Da Redação;

PS.

Já conferiu a Coluna Nem Lhe Conto ? Essa semana saiu uma publicação deveras especial, sobre a Banda Rua Aurora, confere lá!

Foto: Thiago Accioly

Sobre André Ben

Desde 2013 acompanha as sessões da câmara de vereadores da Vitória de Santo Antão. Já atuou como assessor parlamentar e há 4 anos escreve matérias de natureza política para publicação em blog;

Além disso, verifique

Projeto de Lei Duda da Passira é aprovado na câmara de vereadores da Vitória

O Projeto de Lei nº 024/2017, de autoria do vereador Antônio Gabriel, o Toninho (PRB), determina …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by themekiller.com